Do fordismo ao toyotismo


Fordismo e Taylorismo

Uma das características da Segunda Revolução Industrial é a intensificação da divisão técnica do trabalho, em especial no início do século XX, quando Henry Ford introduziu a esteira formatando o que conhecemos como linha de montagem.


Quem melhor justificou e teorizou a respeito dos supostos benefícios do parcelamento do trabalho, da sua necessidade e iminência foi, sobremaneira, Frederick Taylor.


Taylor, como de resto boa parte dos industriais, burgueses, homens públicos e até pensadores viam os trabalhadores – senão todos eles, uma boa parcela – como preguiçosos e indolentes, e que no ambiente fabril, em se permitindo, criariam subterfúgios para preencher o seu tempo com qualquer coisa, menos com o trabalho.


Pensando nisso, e interessado em racionalizar a produção e aumentar a produtividade Taylor criou métodos para reduzir o tempo da execução das atividades. Passou a observar os trabalhadores, seus movimentos, com objetivo de suprimir movimentos desnecessários, simplificando as operações corporais necessárias para a produção da mercadoria.


Para cumprir esse objetivo, Taylor via como imprescindível treinar aqueles trabalhadores indolentes, vigiá-los em seu trabalho, inclusive com a utilização de cronômetros de tal forma que se incorporassem na nova dinâmica do trabalho, e se isso não acontecesse puni-los de forma adequada (não mais brutal, agora invisível, pedagógica, eficiente). Tudo isso segundo Taylor, para o próprio bem do trabalhador.


As ideias de Taylor se espalharam rapidamente, favorecendo:


O desenvolvimento de toda uma ciência do planejamento, inclusive, com homens especializados em administrar homens.


Amálgama desse processo a ideia de que no âmbito da profissão, ou da relação indústria-trabalhador, tudo é impessoal, regido por normas, regras, enfim, uma invisível mecânica da produtividade e do aproveitamento. Não existe a figura do patrão opressor, agora temos a mão invisível de setores ou do “mercado”, por exemplo.


O sistema de prêmios e gratificações para os trabalhadores exemplares, fazendo com que ocorram verdadeiras disputas pondo fim muitas vezes na suposta solidariedade entre os trabalhadores, aposta dos pensadores socialistas. 


  

A revolução técnico-científica e as novas tecnologias organizacionais

Quando falamos do impacto das novas tecnologias produtivas e organizacionais estamos fazendo uma referência obrigatória à chamada “Terceira Revolução Industrial” que a partir da década de 1950 começou a incorporar novas tecnologias ao processo de fabricação de mercadorias e ao mundo do trabalho como um todo. Entre as novas tecnologias podemos citar os computadores, softwares, fibra óptica, chips, rádio e televisão, telemática, indústria aeroespacial, satélites, biotecnologia e a robótica.


Uma das consequências dessa nova dinâmica produtiva é o desemprego tecnológico, onde se tem uma maior procura de trabalhadores altamente especializados, ou mesmo a simples substituição do trabalho humano pelas máquinas. Há de se destacar, que se buscam trabalhadores que dominem várias atividades ou tecnologias diferentes, o que, igualmente, é um fator que contribui para o aumento do desemprego.


A partir dessa nova perspectiva organizacional observa-se uma mudança em relação ao modelo fordista – onde o operário controlava apenas uma máquina ou executava apenas uma operação – para uma requerida flexibilidade, onde o trabalhador deve se mostrar ágil, multifuncional e polivalente. Se antes, em uma fábrica, por exemplo, o trabalhador era responsável somente por uma função ou máquina, agora ele deve deter conhecimento para a execução de várias operações, dominando e controlando múltiplas máquinas e equipamentos.


Trata-se da mudança do antigo paradigma organizacional do fordismo conhecido como product oriented para o novo padrão rotulado de market oriented:


A empresa product oriented são aquelas em se constituem enquanto unidade autônoma no desenvolvimento de novos produtos e na imposição desses produtos para o mercado, como o Modelo T da cor preta de Ford. Nesse modelo a oferta de bens e inadequada a demanda.


A empresa market oriented é aquela em que é a sociedade que elabora as novas necessidades, os novos valores e a demanda. Os cientistas e os homens de negócio devem saber decodificar os sinais emitidos pela sociedade com a finalidade de inspirar novas ideias que serão convertidos em novos serviços e produtos.


Poder-se-ia pensar que essa nova postura em relação ao trabalho tem como objetivo proporcionar ao trabalhador o conhecimento em relação à totalidade da confecção do produto, uma vez que a fragmentação das operações produtivas tornava o trabalhador alienado ou “brutalizado” de acordo com a contundente crítica de muitos pensadores socialistas, em especial os marxistas; contudo, o que se observa muitas vezes é apenas a utilização do trabalhador como forma de incrementar a competitividade, melhorar e diminuir o custo com as rotinas de trabalho e diferenciações necessárias dentro do processo produtivo e consequentemente aumentar a mais-valia.


O Toyotismo


O conjunto de modificações em relação à organização do trabalho a partir da década de 1970 ficou conhecido sob o rótulo do Toyotismo, em referência a empresa japonesa Toyota, que na recessão do capitalismo da década de 1970 precisava engendrar estratégias para dinamizar a produção e competir com as indústrias americanas. Entre as principais características desse modelo, pode-se destacar:


· A lógica do consumo orientando a produção das mercadorias. Deriva daí a necessidade da multiplicidade de funções e operações que o trabalhador deve dominar para poder atender as alterações na demanda de produção.


· Grande automatização da produção, inclusive com ampla utilização de computadores para orientar a produção, regulando os estoques, ou o chamado just in time, que permite variar rapidamente a produção, atendendo as necessidades e exigências do mercado consumidor e como consequência possibilitar mudanças rápidas na técnicas e na organização do trabalho.


· Manutenção de estoques mínimos, de acordo com a procura efetivada pelos consumidores.


· Terceirização de alguns setores.


As grandes empresas contratam empresas para formar uma parceria em questões como marketing, pesquisa, desenvolvimento de produtos, produção de determinados componentes, entre outros. Contudo – essa é a parte desagradável – por meio da terceirização, muitas organizações procuram se livrar de funcionários que desempenhavam atividades complementares e consideradas não tão “necessárias” para o “foco” e objetivo da organização, como, por exemplo, segurança, limpeza e alimentação.


A consequência para esses últimos é uma grande precarização das condições e dos benefícios advindos do trabalho. A ideia que ampara terceirização é a necessidade de reduzir as despesas com a burocracia e a manutenção de funcionários, concentrando-se naquilo que supostamente a empresa sabe “fazer de melhor”. Adota-se um “faz-de-conta” (de acordo com um suposto binômio conhecimento-tecnologia) onde os trabalhadores terceirizados tornam-se descartáveis, ou implicitamente forma-se em meio a uma névoa a ideia de que os trabalhos executados por alguns funcionários são inferiores, e, portando, os trabalhadores são dispensáveis.


Os conteúdos dispostos nas postagens são rascunhos, podendo apresentar erros de concordância ou ortografia. Na medida do possível tentar-se-á corrigir as imprecisões, incluir a bibliografia e rever textos e informações imprecisas.

P.S. - Se você curtiu as postagens e o blog foi útil não deixe de clicar em um dos anúncios!


Imago História

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os conteúdos dispostos nas postagens são rascunhos, podendo apresentar erros de concordância ou ortografia. Na medida do possível tentar-se-á corrigir as imprecisões, incluir a bibliografia e rever textos e informações imprecisas.

P.S. - Se você curtiu as postagens e o blog foi útil não deixe de clicar em um dos anúncios!