Revolução Francesa (1 de 4): A França pré-revolucionária




A França pré-revolucionária 



Com cerca de 26 milhões de habitantes a França era no final do século XVIII o país mais populoso da Europa e também um dos mais injustos. Na França o clero e a nobreza tinham enormes privilégios e o rei impunha a sua vontade, era considerado por meio da teoria do direito divino dos reis, o representante de deus na terra. 

Nessa época a sociedade francesa estava dividida em três ordens ou estados. 

O primeiro estado era o clero, que representava a Igreja, com cerca de 120 mil pessoas. Cerca de 20% de todas as terras da França pertenciam a Igreja. Das 120 mil pessoas algo em torno de 10 mil faziam parte de um grupo muito restrito que compunha o alto clero, que desfrutava de grande riqueza e privilégios. 

O segundo estado era a nobreza, composta pela família real, pelos cortesões (aristocratas que viviam na Corte), pela nobreza provincial e por burgueses, que embora não tenham nascido nobres enriqueceram e compraram títulos de nobreza (nobreza de toga). À nobreza correspondia um total aproximado de 360 mil pessoas. 

O terceiro estado era formado pela maioria da população, entre burgueses, trabalhadores, artesãos e camponeses, além de um grande contingente de desempregados, famintos e marginalizados. A grande massa populacional eram realmente os camponeses, que correspondiam a cerca de 80% da população francesa (entre homens livres e servos). Muitos desses camponeses ainda estavam vinculados aos seus senhores por laços feudais, cumprindo obrigações como a corveia (trabalho gratuito nas terras dos nobres). 

Motivações que precipitaram a Revolução 

Entre as motivações que precipitaram a Revolução Francesa, pode-se destacar: 

O clero e a nobreza tinham uma série de privilégios, entre eles, o de não pagar impostos. Podemos dizer, portanto, que o terceiro estado carregava os outros dois nas costas. O custo de vida de um membro desses do clero ou nobreza equivalia a seis mil indivíduos do terceiro estado. 

No século XVIII apesar da maioria da população viver e trabalhar no campo (85% da população) a oferta de alimentos era reduzido, em parte devido à concentração das terras nas mãos de poucos. 

Para piorar a situação na década de 1780 a seca acabou com o rebanho bovino e dizimou as safras agrícolas elevando de forma assombrosa os preços dos gêneros agrícolas. A fome era, portanto, algo que assolava os franceses. Em 1789, o preço do pão era tão alto que uma família gastava quase 90% dos seus rendimentos na compra do pão para a subsistência mensal. 

A França também estava empobrecida com os resultados desastrosos da Guerra dos Sete Anos (1756-63) contra a Inglaterra, que ocorreu ainda no reinado de Luís XV, levando a França a perder os territórios do Canadá, parte da Louisiana e da Flórida, colônias nas Antilhas, feitorias na África além do controle do território indiano. Se não bastasse isso, a França ainda resolveu ajudar os americanos contra a Inglaterra em sua luta de independência: era uma forma custosa de se vingar da derrota na Guerra dos Sete Anos. 

Para ter uma ideia do colapso financeiro da França, o déficit público às vésperas da Revolução Francesa era de 78 vezes a arrecadação da França, ou seja, gastava-se muito mais do que se arrecadava (o déficit obviamente estava associado aos privilégios de classe, as pensões do clero e da nobreza e ao custeamento de quase meio milhão de pessoas). Boa parte do financiamento do Estado francês era obtida junto aos bancos ingleses, e a dívida francesa já alcançava impressionantes cinco milhões de libras esterlinas, ao passo que a arrecadação francesa anual não cobria metade dessa dívida, assim, a França devia aos ingleses quase duas vezes a sua capacidade de arrecadação anual. 

Para continuar obtende empréstimos ingleses os franceses foram obrigados dar como garantia para os ingleses a própria arrecadação de impostos, além de permitir que os produtos ingleses entrassem na França sem as cobranças alfandegárias. A burguesia francesa, que já estava insatisfeita, pois tinha que pagar um grande número de impostos e suportar diversos monopólios – prática onde o rei concedia o direito de fabricação de um determinado produto a um industrial em detrimento dos outros – agora sofriam com a concorrência dos produtos ingleses, que chegavam à França com um preço inferior aos próprios produtos franceses. 

A imagem representa a opressão em relação ao terceiro estado pelas classes privilegiadas. 

Insatisfação popular com a Corte, estabelecida em Versalhes, distante das agruras dos parisienses. Calcula-se que somente Versalhes consumia 10% de toda a arrecadação francesa. Deve-se lembrar de que a Corte francesa vivia de forma luxuosa e o Palácio de Versalhes era uma ilha de luxo em meio à pobreza disseminada na França. Em Versalhes eram realizadas várias festas semanais que duravam mais de 12 horas cada uma (bancadas com o dinheiro público francês). O próprio Luís XVI era um legítimo produto da Corte de Versalhes: nasceu e viveu nessa ilha da fantasia em meio a uma França prestes a entrar em ebulição. 

Insatisfação com a rainha Maria Antonieta, austríaca (a Áustria era um antigo inimigo dos franceses), e apresentada sempre ligada à luxúria, depravação. 

Dessacralização da imagem do rei Luiz XVI e intensiva panfletagem contra o sistema monárquico (a teoria da origem divina dos reis já não encontrava tantos defensores). 

A imagem, retrata os penteados exuberantes da rainha da França. 

Nos panfletos que circulavam por Paris era comum ver os monarcas franceses retratados como animais. Essa panfletagem radical ajudou a extirpar a áurea sacra dos reis franceses. 


Tem mais sobre a Revolução Francesa... é só continuar lendo!


Os conteúdos dispostos nas postagens são rascunhos, podendo apresentar erros de concordância ou ortografia. Na medida do possível tentar-se-á corrigir as imprecisões, incluir a bibliografia e rever textos e informações imprecisas.

P.S. - Se você curtiu as postagens e o blog foi útil não deixe de clicar em um dos anúncios!


Imago História

11 comentários:

  1. noossa q le..le...gal

    ResponderExcluir
  2. achei super legal.muita arte!!!bjs

    ResponderExcluir
  3. olha, professor ta ficando chique! :D

    ResponderExcluir
  4. Unico jeito de lembrar voce Sérgio!!!--' leva o dvd pra mim??e o caderno ja p aproveitar!!Po0r favor*-* Até amanha

    ResponderExcluir
  5. Ótimo,pois esplica detalhadamente a França pré revolucionária.
    Aos que escreveram este conteúdo:MEUS SINCEROS PARABÉNS!

    ResponderExcluir
  6. achei todo o blog muito legal as mensagens estão claramente espostas e completas

    ResponderExcluir
  7. Caara eu nao tinha neim mais soluçao pra um trabalho que eu tinha que fazer , poq o livro nao tinha absolutamente naadaate qe eu achei vcs que mi salvaram hj, muitissimo obrigado.

    ResponderExcluir
  8. muito legal po parabens

    ResponderExcluir
  9. nossa gostei mt desse documentario parabens vc por posta esta art!!!!!

    ResponderExcluir
  10. Ótimo texto. Por ter essa linguagem informal, é de fácil entendimento. Muito esclarecedor.

    ResponderExcluir
  11. muito legal gosteiiiiiiiiiiiii

    ResponderExcluir

Os conteúdos dispostos nas postagens são rascunhos, podendo apresentar erros de concordância ou ortografia. Na medida do possível tentar-se-á corrigir as imprecisões, incluir a bibliografia e rever textos e informações imprecisas.

P.S. - Se você curtiu as postagens e o blog foi útil não deixe de clicar em um dos anúncios!