A conquista da América (1 de 2) - Fatores que favoreceram a conquista


No contexto das Grandes Navegações os espanhóis serão os primeiros a avistarem as terras do continente americano. Seguir-se-ão, os portugueses, franceses, ingleses e holandeses. Deslumbrava-se um novo mundo, e tal qual na época do movimento das Cruzadas os primeiros que chegaram ao novo continente tratarão de colocar em prática mecanismos de conquista desse território e de seus povos. A violência outrora dirigida para a reconquista dos territórios da Espanha agora seriam direcionados para a conquista das terras na América.

Estima-se que a população indígena na época da chegada dos europeus era de algo em torno de 80 milhões. Essa gigantesca população indígena foi em sua maioria subjugada, sendo que populações inteiras acabaram exterminadas. Para se ter uma ideia, na região central do México existia 25 milhões de índios no começo do século XVI, sendo que menos de 100 anos depois essa população estava reduzida a apenas 1 milhão. Pode-se dizer, portanto, que o contato com os europeus foi extremamente impactante para a população indígena.

Mas de que forma os europeus conseguiram dominar e subjugar uma população tão grande? Entre os principais mecanismos utilizados pelos espanhóis pode-se destacar:

A superioridade bélica

As armas (como os canhões, as pistolas as espadas, escudos e armaduras) eram muito superiores às armas utilizadas pelos indígenas, normalmente feitas de madeira, como as flechas as lanças e os tacapes. Os estrondos das armas de fogo dos espanhóis transformavam-se em trovões aos ouvidos dos indígenas, algo até então nunca visto por eles.

Outro elemento que favoreceu os europeus era a utilização de cavalos. Até então desconhecidos dos indígenas americanos os cavalos europeus causavam verdadeiro espanto e fascinação. Em campo aberto garantiam aos europeus grande mobilidade, além de causar perplexidade entre os indígenas que ficavam mais preocupados em tentar abater o animal do que os cavaleiros.

Há de se destacar, contudo, que a superioridade bélica pode ser relativa em se tratando do local dos enfrentamentos, onde um cavalo pode se tornar insignificante, ou o tempo de preparo para um disparo com arma de fogo uma eternidade se comparado com as flechas envenenadas.

O que de fato contou no campo bélico foi o entendimento de que era imprescindível a formação de alianças com os povos locais, como no caso de Hernán Cortés. Foram essas alianças que garantiram à Cortés combatentes em número suficiente para que pudessem avançar em direção a Tenochtitlán.

A legitimidade religiosa

Se a reforma religiosa sacudiu a religião dominante na Europa dando vazão às guerras de religião e fazendo com que o catolicismo perdesse um grande número de adeptos, com a conquista do Novo Mundo surgia a possibilidade da conversão de milhões de indígenas ao catolicismo.

Assim a religião servirá ao mesmo tempo como justificativa: a salvação dos indígenas, tirando-os de seus hábitos selvagens, ou seja, os europeus eram responsáveis por levar a civilização e a verdadeira religião aos infiéis; e instrumento de dominação (com a utilização da catequese – recentemente introduzida com a Concílio de Trento – e a desestruturação do mundo psíquico dos indígenas). A respeito dessa questão, observe a justificativa do cronista Francisco Lopes de Gómora: 


Assim, não pense ninguém que foram tirados o poder, os bens e a liberdade dos indígenas: e sim que Deus lhes concedeu a graça de pertencerem aos espanhóis, que os tornaram cristãos (...). Ensinaram-lhes latim e ciências, que valem mais do que toda a prata e todo o ouro que eles tomaram. Porque, com conhecimentos, são verdadeiros homens, e da prata nem todos tiravam muito proveito”.

A desestruturação das formas de trabalho 

Com a gradativa dominação dos povos indígenas os espanhóis ocasionaram também uma desestruturação nas atividades de subsistências. Na medida em que deslocavam milhares de habitantes para a exploração das riquezas minerais os espanhóis comprometiam a produção de alimentos, levando populações inteiras a perecerem de fome.


O choque biológico 

 
Os espanhóis trouxeram consigo inúmeras doenças, como a varíola e o sarampo. Essas doenças proliferaram com muita rapidez e encontravam povos que não tinham nenhuma imunidade. Esse choque biológico foi responsável por milhares de mortes no Novo Mundo.
Abaixo algumas ilustrações de Bartolomé de las Casas, frade e defensor da presença da Igreja na tutela dos nativos americanos. Las Casas foi responsável pela publicação de obras onde denunciava de forma contundente a violência e os abusos cometidos pelos espanhóis na América. As imagens abaixo retratam essa suposta violência e, é claro, tem a função de sensibilizar os europeus em relação as arbitrariedades desmedidas e para Las Casas absurdas cometidas no Novo Mundo.






Os conteúdos dispostos nas postagens são rascunhos, podendo apresentar erros de concordância ou ortografia. Na medida do possível tentar-se-á corrigir as imprecisões, incluir a bibliografia e rever textos e informações imprecisas.

P.S. - Se você curtiu as postagens e o blog foi útil não deixe de clicar em um dos anúncios!


Imago História

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os conteúdos dispostos nas postagens são rascunhos, podendo apresentar erros de concordância ou ortografia. Na medida do possível tentar-se-á corrigir as imprecisões, incluir a bibliografia e rever textos e informações imprecisas.

P.S. - Se você curtiu as postagens e o blog foi útil não deixe de clicar em um dos anúncios!