Filosofia - Amizade pela Sabedoria


Para que serve a filosofia? É provável que muitos indivíduos afirmem que não serve para nada, que não dá pra entender nada do que se conta e se ensina e que no final das contas não se responde as questões importantes da vida. Poder-se-ia argumentar que na verdade muitos filósofos consideram até mesmo a pergunta mais importante que a resposta, levando-o a divagações infinitas e a perda da objetividade. 

E de fato, se pensarmos em termos como fenomenologia, ontológico, facticidade, dialética, além de inúmeros outros exemplos é fácil imaginar o desinteresse que a filosofia pode ocasionar. Mas, por outro lado, se os filósofos vivessem com “a cabeça na lua” como muitas vezes se afirma, por que, então, Sócrates foi condenado a morrer bebendo cicuta? Ou por que proibir em alguns períodos a leitura de determinados autores como Karl Marx? 

A vida de cada indivíduo é feita de crenças, ou seja, da aceitação de ideias que nunca questionamos porque nos parecem obvias, como o tempo, o espaço, a realidade, a razão, a loucura, as qualidades, a verdade, a liberdade, etc. Quando o que era objeto de crença se mostra contraditório e transforma-se em uma indagação estamos passando da atitude costumeira para a atitude filosófica. Tem essa atitude aquelas pessoas que não se contentam com as crenças e opiniões pré-estabelecidas, que percebem as contradições, os problemas. Em suma, aqueles indivíduos que expressam o “desejo de saber”.

Filosofar é, portanto, buscar uma explicação que confira sentido as coisas da vida. Trata-se de questionar o mundo a nossa volta, e nesse sentido, essa busca de explicação, esse questionar-se continuamente confere um novo sentido para a relação do homem com consigo mesmo e com o mundo a sua volta. 

A filosofia é um jogo que parte do que existe, critica, coloca em dúvida. Não há área onde ela não se meta, não questione, não perturbe. E, nesse sentido, a filosofia pode ser considerada perigosa, pois vira a ordem estabelecida de cabeça para baixo. 

Podemos, agora, perceber a razão da condenação de Sócrates na Antiguidade ou da proibição da leitura de Karl Marx. Ambos foram considerados perigosos, pois, ao indagar sobre a realidade de sua época, fizeram surgir novas possibilidades de comportamento e de relação social. 

Não é a toa que os regimes ditatoriais impedem ou restringem o pensar filosófico e a atuação crítica dos pensadores com a finalidade de tornar os cidadãos dóceis aos seus interesses. 

Assim, cada um de nós atua de forma filosófica quando buscamos uma explicação, respostas para nossas questões e problemas. Mais do que isso, a filosofia possibilita lançar-se um olhar crítico, questionador e transformador sobre o homem, as relações sociais e o mundo circundante. Contudo, tem-se que ressaltar, o filósofo é amigo do saber e não o dono do saber.


Os conteúdos dispostos nas postagens são rascunhos, podendo apresentar erros de concordância ou ortografia. Na medida do possível tentar-se-á corrigir as imprecisões, incluir a bibliografia e rever textos e informações imprecisas.

P.S. - Se você curtiu as postagens e o blog foi útil não deixe de clicar em um dos anúncios!


Imago História

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os conteúdos dispostos nas postagens são rascunhos, podendo apresentar erros de concordância ou ortografia. Na medida do possível tentar-se-á corrigir as imprecisões, incluir a bibliografia e rever textos e informações imprecisas.

P.S. - Se você curtiu as postagens e o blog foi útil não deixe de clicar em um dos anúncios!