Charges Históricas - Eleições no Brasil Império


Entre as fraudes mais comuns nas eleições do Governo Imperial pode-se citar a contagem de votos de defuntos, de crianças e escravos; troca de urnas autênticas por outras falsas e nomeações de juízes e chefes de polícia “de confiança” para compor as mesas eleitoras.



Eleitos quase sempre à sombra de falcatruas, os políticos “liberais” e “conservadores” representavam com muita vitalidade os interesses das classes dominantes. O Sistema Eleitoral do Império excluía da vida política quase toda a população brasileira. Para se ter uma ideia, de uma população de 8 milhões de pessoas em 1860, apenas 1% do total tinha direito a voto. 

Sem divergências ideológicas, os dois partidos políticos do Império (o Liberal e o Conservador) estavam sempre girando em torno do Imperador. Essa sintonia permitia o rodízio dos dois grupos no poder, o ajustamento dos interesses das classes dominantes e a preservação da figura do Imperador em relação a críticas à administração do país. Por isso, durante 49 anos, D. Pedro II relativamente à vontade tanto entre “conservadores”, como ao lado dos “liberais”.


Os conteúdos dispostos nas postagens são rascunhos, podendo apresentar erros de concordância ou ortografia. Na medida do possível tentar-se-á corrigir as imprecisões, incluir a bibliografia e rever textos e informações imprecisas.

P.S. - Se você curtiu as postagens e o blog foi útil não deixe de clicar em um dos anúncios!


Imago História

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os conteúdos dispostos nas postagens são rascunhos, podendo apresentar erros de concordância ou ortografia. Na medida do possível tentar-se-á corrigir as imprecisões, incluir a bibliografia e rever textos e informações imprecisas.

P.S. - Se você curtiu as postagens e o blog foi útil não deixe de clicar em um dos anúncios!