EUA no século XIX (2 de 2) - Guerra de Secessão


Como foi visto a colonização dos EUA deu origem a diferentes formas de organização econômica e social. Na metade do século XIX essas diferenças já haviam se extremado em uma região ao Sul dos EUA basicamente agrícola (destacando-se a produção de algodão, que representava 75% da produção mundial – existiam mais milionários no Mississipi do que em qualquer outra parte do planeta), e outra ao Norte, com um grande ímpeto industrial (e um grande centro têxtil para o algodão do Sul, produzido de forma vertiginosa com novos inventos que auxiliavam no processamento do algodão).

O conflito de interesses, as diferenças políticas, sociais e econômicas dessas duas regiões levaram os EUA a uma guerra civil, que vai ser travada entres os anos de 1861-65 deixando um saldo de quase um milhão de mortos (mais de 600 mil só de soldados).

Entre os principais pontos de discórdia entre os fazendeiros do Sul e nos industriais do Norte pode-se citar a questão protecionista. Os nortistas interessados na expansão industrial e em impulsionar as vendas de produtos industrializados dentro do território americano queriam medidas que protegesse a indústria nacional, entre elas o aumento dos impostos para a importação de manufaturas. Os sulistas, por sua vez, eram adeptos do livre comércio, uma vez que dependiam das exportações de produtos primários e preferiam comprar os excelentes produtos ingleses, que eram mais baratos que os americanos.


A questão da escravidão também se mostrava um ponto de atrito já que o sul tinha a mão-de-obra escrava como principal forma de trabalho, e o norte se apoiavam cada vez mais em relações de trabalho livre e assalariada. Esse tema tornou-se tão árido, que em 1820 um acordo entre os estados estipulou uma fronteira limite (o paralelo 36) para a criação de estados escravistas ou de mão-de-obra livre. Com a incorporação de novos territórios a questão tornava-se um verdadeiro barril de pólvora, já que os interesses entre sul e norte se chocavam no momento de decidir se os novos territórios poderiam ou não ter escravos.

Ao mesmo tempo, o governo federal, para atender o entusiasmo industrial nortista começou a investir massivamente na construção de infraestrutura (como portos, ferrovias, pontes) no centro-norte do país. O problema é que tal política ocasionou a elevação dos tributos, que evidentemente, os sulistas não estavam dispostos a pagar.


O estopim que levou ao início do conflito ocorreu no campo político. Em 1854 Abraham Lincoln, filiado ao Partido Republicano disputa as eleições para o senado em uma campanha marcada pela discussão em torno da questão moral e econômica da escravidão. Lincoln perde as eleições, mas ganha projeção nacional e a fama de abolicionista radical. Em 1860 novamente Lincoln entrará na cena política nacional, disputando e ganhando com 39% dos votos as eleições para a presidência.

Como a independência norte-americana foi fruto, em grande parte, da autonomia dos estados americanos, essa mesma autonomia vai fazer com que a Carolina do Sul, insatisfeita e temerosa com o resultado das eleições, declarasse dissolvida a sua união em relação aos outros estados americanos, isso, antes mesmo do novo presidente assumir o poder.

Vários estados sulistas seguiram a Carolina do Sul e declararam a sua secessão, formando no ano de 1861 os Estados Confederados da América. Jefferson Davis, o candidato derrotado nas eleições de 1860 é eleito presidente da Confederação. Misto de precipitação e de diferenças ideológicas a tensão acabou eclodindo em guerra.

Em meio ao conflito, com a finalidade de enfraquecer os Estados Confederados, a União aprovou algumas leis, entre elas:

  • Lei do Confisco, de 1861 – Que determinava a expropriação das propriedades utilizadas em favor dos Confederados.

  • A partir de 1862, todos os escravos que conseguissem fugir para o território da União tornavam-se livres.

  • Ainda em 1862 a Lei do Povoamento facilitava o acesso a terras no oeste para os colonos que não tivessem lutado contra a União.
  • Em 1863 aprovou-se o recrutamento de negros livres para o exército da União.
  • Em 1864 proibiu-se o comércio com os sulistas, efetuando-se um bloqueio nos principais portos.

Apesar de obterem importantes vitórias no começo do conflito, os sulistas acabaram sendo derrotados pela superioridade demográfica, militar e industrial do Norte. Veja os impressionantes dados relativos aos estados no Norte:


  • 70% da população, sendo que mais de 80% da população masculina.
  • 67% dos soldados.

  •  85% da malha ferroviária e 90% dos navios mercantes.
  • Mais de 90% da produção industrial americana.
  • Grande número de indústria significa uma grande possibilidade de fabricação de armamentos, o que se traduzia em impressionante 97% da produção de armas.

Como saldo do conflito basta dizer que morreu mais soldados norte-americanos na Guerra de Secessão do que em todos os outros conflitos em que os Estados Unidos se meteram em toda a sua história, e apesar da superioridade dos nortistas, a vitória custou mais vidas de soldados do norte do que do sul.


Como consequência da vitória nortista, os estados do Sul foram reintegrados a União, marcando definitivamente a expansão capitalista e industrial no território americano.


Em pouco tempo as exportações agrícolas do Sul perderiam importância frente ao grande desenvolvimento industrial do país, que se tornaria uma grande potência mundial.

A vitória do Norte precipitou o fim da escravidão, que foi abolida ainda durante a guerra, em 1863 (com exceção dos estados que não aderiram à secessão como a Virgínia e Kentucky). A abolição definitiva da escravidão nos Estados Unidos aconteceu em 1865, e em 1870 uma emenda a Constituição garantiu o direito de voto a todos os cidadãos, independente da raça ou cor.


Contudo, os ressentimentos sulistas e a discriminação em relação aos negros persistiriam por muito tempo. Fruto desse ressentimento, em 1865 o presidente Abraham Lincoln seria morto por um extremista sulista em uma ação espetacular, dentro de um teatro.

Outro reflexo da extensão dos direitos aos negros nos estados do Sul foi a criação da Ku Klux Klan, organização extremamente racista que não concordava com o fim da escravidão e a condição de igualdade atribuída as negros. Agindo de forma clandestina, e muitas vezes com a tolerância das autoridades, a KKK realizava ações bárbaras, espancando, queimando em fogueiras, enforcando ou pregando suas vítimas em cruzes. 




Abaixo os chamados "patrulhadores de escravos", que tinham a missão de perseguir os escravos que tivessem a ousadia de violar os códigos dos escravos americanos, ou seja, que tivesse em perspectiva a sua emancipação.

Na sequência um mapa onde aparece em azul os Estados que defendiam a União, ou seja, os EUA propriamente dito. Em vermelho, estão os Estados Confederados, que se rebelaram, e em azul claro, aparecem os Estados que eram escravistas, mas que mesmo assim se mantiveram do lado da União.



Os conteúdos dispostos nas postagens são rascunhos, podendo apresentar erros de concordância ou ortografia. Na medida do possível tentar-se-á corrigir as imprecisões, incluir a bibliografia e rever textos e informações imprecisas.

P.S. - Se você curtiu as postagens e o blog foi útil não deixe de clicar em um dos anúncios!


Imago História

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os conteúdos dispostos nas postagens são rascunhos, podendo apresentar erros de concordância ou ortografia. Na medida do possível tentar-se-á corrigir as imprecisões, incluir a bibliografia e rever textos e informações imprecisas.

P.S. - Se você curtiu as postagens e o blog foi útil não deixe de clicar em um dos anúncios!