A conquista inglesa da América


Os espanhóis foram os primeiros a chegar também na América do Norte, que da mesma forma que a região do México e da América Central era habitada por inúmeros povos indígenas. Contudo, a possibilidade da exploração das riquezas encontradas entre os mexicas e na região do Peru fez com que os espanhóis se dedicassem a ocupação e dominação desses locais e povos, não levando adiante a conquista da costa atlântica da América do Norte.

Essas regiões acabaram sendo exploradas pelos ingleses, com expedições de descoberta durante o século XVI, abrindo caminho para uma efetiva ocupação desses territórios durante o século XVII. Da mesma forma que os espanhóis, os ingleses encontravam pela frente centenas de tribos indígenas, com uma diversidade cultural e linguística impressionante.

Novamente se fez o uso das empresas particulares, que recebiam concessões da coroa inglesa para a exploração do Novo Mundo. A principal estratégia dessas empresas era a violência, levando ao extermino de tribos trigos inteiras ou forçando a população nativa migrar para o oeste do país. Não existia nenhum impedimento moral em relação à matança uma vez que os povos indígenas eram considerados inferiores; observe o relato de colono Jonas Michaelius: 

Quanto aos nativos deste país, encontro-os totalmente selvagens e primitivos, alheios a toda decência; mais ainda, incivilizados e estúpidos, como estacas de jardim, espertos em todas as perversidades e ímpios, homens endemoniados, que não servem a ninguém senão o diabo.”

Pode se perceber uma diferença fundamental entre o as relações entre os indígenas e respectivamente os espanhóis e os ingleses. Se no caso da conquista espanhola houve a preocupação – dentro do contexto das reformas religiosas que estavam balançando a Europa – de tentar converter os indígenas ao catolicismo, de integrá-los a um modelo de sociedade que os espanhóis estavam interessados em reproduzir, quase sempre com a utilização das missões jesuíticas e da catequese, no caso da conquista inglesa, apesar de algumas tentativas no início da colonização, não houve a preocupação em converter os indígenas, que foram apartados, expulsos de seus territórios, ou simplesmente exterminados.

Contudo, ao contrário do se possa pensar, a conquista da América por espanhóis e ingleses não aconteceu passivamente, ou seja, sempre houve a resistência dos povos indígenas, com ataques a vilas e povoamentos, rebeliões e até mesmo, com massacres de populações europeias estabelecidas na América. Exemplo dessa resistência secular é inúmeros elementos culturas, rituais, festivos, além de línguas e dialetos que ainda existem em boa parte da América, em especial na América espanhola. 

Abaixo uma imagem idealizada do contato dos peregrinos ingleses com os gentios.


Os conteúdos dispostos nas postagens são rascunhos, podendo apresentar erros de concordância ou ortografia. Na medida do possível tentar-se-á corrigir as imprecisões, incluir a bibliografia e rever textos e informações imprecisas.

P.S. - Se você curtiu as postagens e o blog foi útil não deixe de clicar em um dos anúncios!


Imago História

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os conteúdos dispostos nas postagens são rascunhos, podendo apresentar erros de concordância ou ortografia. Na medida do possível tentar-se-á corrigir as imprecisões, incluir a bibliografia e rever textos e informações imprecisas.

P.S. - Se você curtiu as postagens e o blog foi útil não deixe de clicar em um dos anúncios!