Urbanização (2 de 7) - Ruralização, Impacto da Revolução Industrial e Intensificação da Urbanização no Século XX


A desestruturação do Império Romano a partir do século IV e V, ocasionado entre outros motivos pelas invasões bárbaras fez com que a população urbana migrasse para o campo, dando início a um intenso processo de ruralização. O chamado período feudal europeu vai ser marcado pela auto-subsistência dos feudos, as cidades continuam existindo, mas perde muita da sua relevância.

Contudo, mesmo com o processo de ruralização, muitas pessoas desligavam-se das atividades rurais e exercia outras atividades dentro dos burgos, nome dado às cidadelas durante a Idade Média, que eram pequenas, sujas, escuras e protegidas por muralhas. Com o tempo as pessoas que moravam no burgo e exerciam atividades ligadas ao comércio foram enriquecendo; deriva daí a denominação de “burgueses” para a classe social ligadas às prósperas atividades comerciais.

Essas cidades, com o tempo foram crescendo e conseguindo a sua autonomia em relação ao domínio dos senhores feudal. Cada vez mais, as cidades atraiam todo a tipo de indivíduos, fazendo com que a sua população crescesse. Essa dinâmica própria das cidades foi benéfica para o desenvolvimento das relações capitalistas.

A partir do final do século XVII e durante o século XVIII as cidades passaram por grandes mudanças, em decorrência da Revolução Industrial. A revolução industrial alterou a forma de se produzir às mercadorias e as relações de trabalho, mas alterou também profundamente o panorama das cidades. As indústrias passaram a se instalar próximas dos centros urbanos, onde poderia usufruir da mão-de-obra localizável nesses centros, do mercado consumidor potencial das grandes cidades.

Entre as consequências da Revolução Industrial está a precarização das condições de trabalho e da vida do trabalhador. Esse fator refletiu na cidade, na medida em que as condições de moradias dos trabalhadores eram péssimas. Ao mesmo tempo a Revolução Industrial foi responsável por criar uma barreira entre ricos e pobres, que refletiu na formação de bairros burgueses e bairros para os pobres, que viviam em condições miserais.

A Revolução Industrial teve grande influência na redefinição das relações entre o centro urbano e o campo. No início do século 19, menos de 5% da humanidade vivia em cidades. No início do século 21, mais de 50% da população mundial já vive em cidades. Nessa relação o campo fica responsável pelo fornecimento de matérias-primas, e passa a receber produtos industrializados. Contudo, a cidade passa a depender do campo, na medida em que não é auto-subsistente na produção de alimentos.

No século XX o deslocamento de pessoas para os centros urbanos se intensificou, principalmente em relação ao chamado Terceiro Mundo:

1900 – existiam 16 cidades com mais de 1 milhão (2 delas no Terceiro Mundo);

1950 – existiam 20 cidades com mais de 2,5 milhões (6 delas no Terceiro Mundo);

2000 – existiam 26 cidades com mais de 10 milhões (20 delas no Terceiro Mundo).




Os conteúdos dispostos nas postagens são rascunhos, podendo apresentar erros de concordância ou ortografia. Na medida do possível tentar-se-á corrigir as imprecisões, incluir a bibliografia e rever textos e informações imprecisas.

P.S. - Se você curtiu as postagens e o blog foi útil não deixe de clicar em um dos anúncios!


Imago História

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os conteúdos dispostos nas postagens são rascunhos, podendo apresentar erros de concordância ou ortografia. Na medida do possível tentar-se-á corrigir as imprecisões, incluir a bibliografia e rever textos e informações imprecisas.

P.S. - Se você curtiu as postagens e o blog foi útil não deixe de clicar em um dos anúncios!