O período Napoleônico (1 de 4) - O Consulado


O Diretório – em sua dependência em relação às forças militares – abriu espaço para que em 1799, através de um golpe apoiado por políticos burgueses e pelo exército, um de seus mais brilhantes generais subisse ao poder, Napoleão. 

Não podemos esquecer que o contexto francês favoreceu a ascendência de Napoleão. Em primeiro lugar, a abolição dos privilégios de classe possibilitou que as suas conquistas militares o elevassem ao posto de general. Por outro lado, a população francesa desejava um governo que colocasse fim às agitações internas e a burguesia, ainda assombrada pelo período do terror, ansiava por um governo forte o suficiente para impedir que os jacobinos ou os monarquistas reconquistassem o poder. 

Consulado (1799-1804)

A primeira etapa do governo de Napoleão é chamada de Consulado (1799-1804), período que governou com o cargo de primeiro-cônsul, mas tinha que dividir o poder ao lado de outros 3 cônsules.

Nesse período Napoleão gradativamente irá centralizar o poder. Uma nova constituição lhe conferiu amplos poderes, utilizando-os para reforçar o seu poder pessoal. Perseguiu e prendeu inimigos políticos, censurou e utilizou amplamente a imprensa a seu favor. 

Ao mesmo tempo impulsionou a economia francesa, confirmando a reforma agrária feita durante a Revolução, criou o Banco da França e manteve a inflação sobre controle, incentivou a indústria e a educação. 

Napoleão criou ainda o novo Código Civil, ou Código Napoleônico, que protegia o direito a propriedade e reafirmava a igualdade de todos perante a lei. O código favorecia amplamente os burgueses, defendendo a liberdade de comércio e, proibindo, inclusive, os sindicatos e as greves, e em caso de contendas trabalhistas, prevaleceria sempre à palavra do empregador. 

Com o Código Napoleônico, efetivou-se a separação entre a Igreja e o Estado, sendo que muitas das atribuições da Igreja passaram a ser executada pelo governo local, como o casamento e o divórcio. A laicização do estado e a introdução da ideia de liberdade religiosa permitiram que grupos tradicionalmente perseguidos, como os judeus, pudessem se estabelecer, construir sinagogas e contribuir para o crescimento econômico da região.

A revolução introduziu outras novidades na França e nos países que foram conquistados, como um novo calendário (com uma semana de dez dias e sem do domingo cristão), a coleta de lixo e um sistema unificado de medidas, com a introdução do metro do litro e do quilograma, padronizando as medidas nos territórios dominados por Napoleão.

O cartoon abaixo faz referência ao golpe de 18 Brumário, que colocou Napoleão no poder. O caricaturista satiriza tanto o governo que estava no poder quanto a própria figura de Napoleão.


Na imagem abaixo temos Napoleão "plantando" uma nova dinastia. A imagem faz referência à ambição de Napoleão se perpetuar no poder.

Na cartoon abaixo lê-se: "Napoleão, o general do diabo".



Os conteúdos dispostos nas postagens são rascunhos, podendo apresentar erros de concordância ou ortografia. Na medida do possível tentar-se-á corrigir as imprecisões, incluir a bibliografia e rever textos e informações imprecisas.

P.S. - Se você curtiu as postagens e o blog foi útil não deixe de clicar em um dos anúncios!


Imago História

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os conteúdos dispostos nas postagens são rascunhos, podendo apresentar erros de concordância ou ortografia. Na medida do possível tentar-se-á corrigir as imprecisões, incluir a bibliografia e rever textos e informações imprecisas.

P.S. - Se você curtiu as postagens e o blog foi útil não deixe de clicar em um dos anúncios!